sexta-feira, 14 de julho de 2017

Dicas de Barcelona – 2017



Introdução
Com certeza a cidade de Barcelona é uma das metrópoles mais interessantes da Europa. Se pudesse escolher um lugar para viver, Barcelona seria uma grande opção. Existem guias e mais guias sobre a cidade. Na primeira viagem que fiz, usei o guia da Folha, que você adquire facilmente nas principais livrarias. Faça o mesmo. Lá você encontrará informações detalhadas sobre os principais eventos. Por outro lado, a ideia deste rápido texto é compartilhar com os amigos do site algumas dicas pessoais que considero valiosas e que facilitarão a visita dos marinheiros de primeira viagem. Não tenho a intenção de esgotar o assunto, mesmo porque não teria competência para tal.

Quantos dias ficar lá?
No mínimo quatro dias, talvez o ideal seja uma semana. Obviamente tudo dependerá da sua disponibilidade de tempo. A cidade é muito rica em monumentos e passeios, assim explore ao máximo seus encantos.

Programe sua viagem com antecedência e o mais importante: compre os ingressos online!
Aqui talvez seja a melhor dica. A cada ano a cidade recebe mais e mais visitante. Todos os monumentos são cheios e com filas intermináveis. Todos, sem exceção. Assim, compre os ingressos com antecedência pela internet. Você economizará muitas horas do seu precioso tempo e otimizará sua viagem. Todos os grandes pontos turísticos têm seu próprio site explicativo e que permite a compra de entradas online. Basta um busca rápida no Google.

Ótima porta de entrada para a Europa
Desde 2015, a LATAM tem voo direto para Barcelona, saindo diariamente de São Paulo, uma ótima opção para chegar ao continente europeu. Os preços das passagens aéreas são bons, o aeroporto de Barcelona é moderno e não é tumultuado, e a imigração é rápida e sem maiores burocracias. Outro ponto positivo: Barcelona fica a pouco mais de 100 km da fronteira com a França.

Transporte
A cidade tem uma malha metroviária invejável. E melhor, sem maiores dificuldades para seu uso. Entretanto, sugiro o uso do serviço de táxi: altamente disponível (talvez o maior número de táxi por habitante das cidades que já visitei), barato e de ótima qualidade. Realmente vale a pena. Em virtude disso não usei o Uber em Barcelona e não tenho informações sobre o serviço.

Hotéis
Barcelona oferece inúmeras opções de hospedagem, mas vou citar apenas um hotel: o Renaissance ( Carrer de Pau Claris, 122, 08009, Eixample, Barcelona). O Hotel tem localização impecável, perto de tudo e o preço não é tão salgado. Se você não puder pagá-lo, opte por um hotel próximo, pois a localização é realmente fantástica. É possível visitar os principais os monumentos a pé. O hotel fica a apenas um quarteirão de uma das principais vias do bairro mais importante de Barcelona: Avenida Passeig de Gràcia.



A cidade
Basicamente, poderíamos dividir a parte central da cidade em três grandes bairros: a cidade histórica, o bairro Eixample (a parte nova) e o Montjuic (a parte alta). Existe ainda a região litorânea da cidade com destaque para o Port Olímpic e a praia de Barceloneta (aldeia de pescadores). O Port Olímpic é uma área beira-mar que foi totalmente recuperada para os Jogos Olímpicos de 1992. Aliás, neste ano de 2017 completou-se 25 anos do evento que, definitivamente, colocou a cidade em outro patamar de desenvolvimento.



Antoni Gaudí
Para mim, o ponto de destaque da cidade é a arquitetura. E Gaudí é o grande nome dos monumentos de Barcelona, um dos principais mestres do modernisnmo. Não deixe de visitar suas principais obras: a Casa Batlló, a Casa Milà (La Pedrera), o Parc Guell (parque privado e que requer ingresso para sua visita) e a estonteante igreja da Sagrada Família (até hoje inacabada).  Não dá para deixar de visitá-los, cada um com suas peculiaridades. E não se esqueça de comprar seu ingresso com antecedência. No guia que citei você tem informações detalhadas sobre estes monumentos.









Restaurantes
Outro ponto alto da cidade é a culinária catalã. As famosas tapas são aperitivos deliciosos. Dentre as várias opções de estabelecimento, vou destacar apenas três restaurantes (para todos os bolsos), localizados no bairro de Eixample e próximos do hotel recomendado.

Etapes: restaurante minúsculo, porém fenomenal. Excelente comida e com uma apresentação dos pratos digna de uma estrela Michelin. Ótima carta de vinhos e com bons preços. O restaurante é indicado pelo guia Michelin, apesar de não ser estrelado, ele é classificado como “Bib Gourmand”, o que significa boa comida e ótimo preço. Recomendo fortemente.



Casa Calvet: mais uma obra de Gaudí. O ambiente é muito harmonioso e aconchegante, muito bem cuidado de perto pela Dona. Apesar disso, os preços são camaradas, especialmente no almoço. Ótima carta de vinhos e com bons preços. Vale a pena conhecer.




Lasarte: atualmente com três estrelas Michelin, 2017, esse restaurante figura entre os melhores que já visitei na Europa. Se em 2013 ele já era bom – na época ele tinha “apenas” duas estrelas – agora ele ficou ainda melhor. O Chefe Martin Berasategui é um dos ícones da culinária espanhola e mundial. Problema: é muito caro! Mas para os amantes da boa comida e do bom atendimento vale o sacrifício. Reservar com antecedência é obrigatório.






Futbol Club Barcelona
O time do Barcelona é o orgulho da cidade. Para os amantes do futebol, a visita ao estádio (e ao museu) é obrigatória. Se você gostar de futebol e conseguir assistir algum jogo, melhor ainda. Se for um da Champions League, “não tem preço”. Tive a oportunidade de ir ao jogo entre Barcelona e Juventus pelas quartas de finais em 2017: fenomenal! Você pode adquirir o ingresso no site do clube site, tranquilamente. Outra coisa: no dia de jogos e, por vezes na véspera, existem mudanças nos horários de visita do estádio e do museu. Programe-se com antecedência.




Bairro antigo
Vale a pena um passeio a pé e sem pressa através do centro histórico. Fica a poucos minutos do hotel recomendado, caminhando. A Catedral da cidade fica lá. A famosa Avenida La Rambla também (avenida muito cheia, que particularmente não gostei, mas tire suas próprias conclusões). Caminhe sem pressa e chegue à avenida beira- mar: o Port Olímpic ficará a sua esquerda. Destaco ainda dois pontos turísticos na cidade velha:



Museu Picasso
Situado no centro histórico, este pequeno museu é muito rico e bem cuidado. Você terá uma ótima noção sobre a obra de Picasso. Sempre muito cheio, assim, reservar com antecedência é quase obrigatório.

Palau de la Música Catalana
Talvez um dos “teatros” de música mais belo que já visitei. O mosaico da cúpula e a acústica do teatro são espetaculares. Vale a pena uma visita guiada que dura cerca de uma hora. Imperdível.




Montjuic
Bairro no alto e com um vista maravilhosa da cidade. Lá, visite o Castelo (nada demais, mas a vista da cidade vale cada centavo), o estádio olímpico e o parque. Dica: vá de táxi, cerca de 10 euros partindo do bairro Eixample, e volte de bondinho, furnicular e metrô, nesta sequência. A volta sairá mais cara, mas vale a pena o passeio e a vista. 




Vinícolas
A Região de Penedès, ao sul de Barcelona, produz as famosas “Cavas”, o vinho espumante espanhol mais famoso. Dentre as várias companhias, opte pela visita à Codorniú, uma das mais belas vinícolas que já visitei, sem dúvida. O local é realmente único. O agendamento é obrigatório pelo site. Você pode optar por ir de carro saindo de Barcelona (cerca de 45 km) ou se hospedar na pequena cidade de Villa Franca de Penedès. Sugiro o Hotel Mastinell (Cava & Hotel Mastinell) que fica na periferia desta pequena cidade e no meio dos vinhedos. A arquitetura do hotel é ímpar e o restaurante é ótimo e muito barato. Outro ponto positivo, o hotel fica a 40 minutos de carro do aeroporto de Barcelona, El Prat, sem a necessidade de atravessar a cidade, haja vista que o aeroporto é ao sul de Barcelona. Ótima opção para o último dia de viagem, prestes ao retorno ao Brasil.






Madri e outras cidades da Espanha
Se você quiser continuar sua visita pela Espanha, você poderá fazê-lo de trem rápido partindo da moderna Estação Sants, no centro de Barcelona. Você tem à disposição trens de alta velocidade (Empresa RENFE) com destino às principais cidades da Espanha. Destaco a ligação direta com a capital espanhola, numa viagem tranquila, rápida e agradável.

Catalunha
Existem vários outros passeios em Barcelona e na região da Catalunha que não foram comentados aqui, como exemplos, a cidade de Girona e o famoso Montserrat. De todo modo, acredito ter repassado algumas informações importantes sobre essa fantástica região. Não deixe de visitá-la. Boa viagem!

MJR





segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

A importância das safras em Bordeaux.



Qualquer região vinícola do mundo sofre influências climáticas durante o processo de maturação e colheitas das uvas, o que afeta diretamente a vinificação e a qualidade dos vinhos. Assim, o mesmo rótulo pode sofrer mudanças exuberantes de uma safra para outra.

Quando começamos a nos interessar por vinhos usualmente conferimos mais importância aos rótulos, às cepas e às regiões, em detrimento às safras. Foi assim comigo. Mas, feliz ou infelizmente, além de conhecer as regiões vinícolas, os bons produtores e as cepas, você precisa ter noções básicas sobre as safras. Caso contrário, poderá comprar gato por lebre.

Também é verdade que mesmo em anos ruins os bons produtores fazem excelentes vinhos. Eles priorizam a qualidade e diminuem a produção. Contudo, esta não é a regra, pois a maioria dos produtores não quer ficar no prejuízo e acaba produzindo vinhos magros e pouco inspiradores.

Para os apreciadores dos vinhos bordaleses, a ótima notícia que tenho é que desde o ano 2000 as safras em Bordeaux foram muito acima da média. A natureza colaborou, e muito. Não tivemos safras ruins. A melhor delas foi em 2009, segundo especialistas. A Grande Safra, talvez a melhor de todos os tempos. Será? Só o tempo dirá, pois estes vinhos estão longe da maturidade plena.

Tivemos excelentes safras em 2000 e 2010. A safra de 2003 também foi espetacular. Recentemente, bebemos o segundo vinho do Château Margaux, o Pavillon Rouge 2003, e estava sensacional batendo vários vinhos crus classés de outras safras (foto inicial).

As safras de 2006, 2007 e 2008 ficaram acima da média e produziram ótimos vinhos. A safra de 2001 também foi muito interessante (o Château Monbusquet 2001, Saint-Emilion Grand Cru, está impecável). Por outro lado, as safras de 2002, 2003 e 2004 foram um pouco menos nobres, mas muito boas. As safras mais recentes, 2011 e 2012, também foram interessantes.



Antes da virada do século, as grandes safras em Bordeaux foram: 1929, 1945, 1961, 1975, 1982, 1989, 1990, 1995 e 1996. Obviamente, os vinhos destas safras são raros e caros. Opte por comprar vinhos das safras a partir do ano 2000.

Para finalizar, comento um aspecto muito importante para os vinhos de Bordeaux. Em geral, os melhores vinhos estarão prontos em média 10 anos ou mais após a safra, especialmente os classificados (crus classés). O segundo vinho dos grandes châteaux podem ser bebidos antes disso, mas nas grandes safras, como em 2005, eles ficam ainda melhores após 10 anos: no último sábado provamos o Moulin De La Lagune 2005 do Chateau La Lagune, Cru Classé Haut-Médoc, e estava soberbo e ainda com potencial de guarda. Os melhores vinhos Crus Bourgeois também se beneficiam do tempo em garrafa. Já os vinhos mais simples de Bordeaux podem ser consumidos com poucos anos de garrafa. São vinhos para o dia a dia.




À votre santé!

MJR

sexta-feira, 26 de agosto de 2016

Bordeaux - O melhor vinho do mundo - Parte IV.



Um pouco mais sobre os châteaux e vinhos do Haut-Médoc

A melhor maneira de conhecer a região de Bordeaux é de carro. Existem vários agentes turísticos locais que fazem excursões diárias para os principais châteaux, saindo da cidade de Bordeaux, mas se você puder faça o passeio por conta própria. É muito mais prazeroso, sem regras e sem limites. Mas tenha muito cuidado e não dirija sob o efeito do álcool – planeje o motorista da rodada!

Já tive a oportunidade de visitar várias regiões vinícolas na Europa, especialmente na França, mas nada se compara a uma visita à margem esquerda do rio Gironde. Para os amantes do vinho a região é incomparável!

Um dia de passeio é bom, mas talvez dois seja o ideal. Há quem fique hospedado num dos châteaux da região que dispõe de quartos e restaurantes privativos, por uma ou duas noites. Ainda não tive a oportunidade de fazer esta opção, mas quem já fez, garante que vale a pena!



Na minha visita optei por ficar hospedado na cidade de Bordeaux, por quatro noites, e alugar um carro para passear pelo Haut-Médoc e pelas demais regiões de Bordeaux. A comuna de Margaux fica a 25 km do centro de Bordeaux. Existe uma estrada principal margeando os vinhedos, mas o ideal é por dentro dos vinhedos, seguindo pelas pequenas vias: sem pressa, parando e admirando a bela paisagem. O terreno é totalmente plano e ao chegar à Margaux você verá castelos e mais castelos. Cada um mais charmoso que o outro. Entre os castelos, vinhedos e mais vinhedos. É impressionante a beleza das propriedades!




Para visitar os châteaux mais prestigiados é preciso reservar com antecedência pela internet ou por telefone. Fiz tudo por email. Quase todos são abertos para visitas. Optei por conhecer o Château Cos d’Estournel, em Saint-Estèphe. A minha escolha foi baseada na imponência do castelo – uma construção atípica para a região. A primeira vez que vi este belo Château foi num DVD produzido pelo jornalista Renato Machado no canal fechado GNT no começo da década passada. Outro motivo foi a qualidade dos vinhos produzidos ali: um dos meus preferidos. A visita foi impecável. Se tiver interesse, leia o post publicado em maio 2015.





Depois da cidade de Margaux (cerca de 15 km ao norte), a próxima comuna importante é Saint-Julien (Saint-Julien / Beychevelle). A importância desta pequena aldeia se dá pelo número expressivo de châteaux classificados em 1855. Logo depois de Saint-Julien (a divisa é praticamente imperceptível) temos a comuna de Pauillac, a mais badalada de todas, em virtude dos grandes châteaux ali situados e da pequena vila às margens do Gironde. Grudado em Pauillac, literalmente, temos a região de Saint-Estèphe, outra comuna importante do Haut-Médoc. Um fato me marcou bastante: os Châteaux Lafite-Rothschild e Cos d’Estournel fazem divisa, um em Pauillac e outro em Saint-Estèphe. Apenas uma estreita faixa de vegetação os separa (veja nesta imagem aérea do Google Earth). E o mais interessante: os vinhos são totalmente distintos!



Entre Margaux e Saint Julien, temos o chamado Médoc Central, uma área menos nobre, mas que produz alguns excelentes vinhos, não classificados em 1855. As duas principais aldeias são Listrac e Moulis. Excelentes vinhos, Cru Bourgeois, são produzidos aqui e com preços bem camaradas. As duas vilas são mais interioranas, longe do rio, o que prejudica a qualidade do solo. Todavia, em anos bons e nas mãos de bons produtores, você poderá encontrar excepcionais vinhos. Procure pelo Château Maucaillou, Château Chasse-Spleen e Château Poujeaux, dentre outros. Recentemente numa degustação às cegas na minha casa, o Chasse-Spleen 2001 bateu vários Grand Cru Classé de 1855 do Haut-Médoc.

As características das sub-regiões do Haut-Médoc e os vinhos de destaque.



Margaux – é a maior comuna do Haut-Médoc e a mais ao sul. O solo é mais leve e pedregoso – muito cascalho – e a drenagem da terra é quase perfeita. Os vinhos são descritos como elegantes, aromáticos e finos. O Châteaux Margaux é o mais importante – o único premier cru da região. Outro expoente é o Château Palmer (troisième cru) – um castelo maravilhoso. Dos 61 vinhos classificados em 1855, 21 estão localizados em Margaux. Destaco os seguintes: o Château Rauzan-Ségla, o Château Lascombes, o Château Cantenac-Brown, o Château Kirwan e o Château D’Issan.




Saint-Julien – é a menor comuna, porém 95% dos châteaux estão listados na classificação de 1855. São 11 no total. Talvez no Médoc, sejam meus vinhos preferidos pelo custo-benefício. Karen MacNeil no seu livro A Bíblia do Vinho escreveu: “se você quiser beber apenas os vinhos dessa comuna pelo resto da vida, com certeza será muito feliz”. Os vinhos são saborosos, refinados e, ao mesmo tempo, potentes. Não sei o motivo, mas sempre tive uma queda pelos vinhos do Château Lagrange. Tive a oportunidade de degustar várias safras, quase todas muito boas, especialmente as mais antigas. Outro vinho marcante da região é o Château Gruaud-Larosse. Destaco ainda os seguintes châteaux: os três Léoville, o Ducru-Beaucaillou, o Branaire-Ducru e o Beychevelle. Não poderia terminar esta comuna sem comentar sobre o Château Gloria. Ele produz um vinho delicioso, complexo e relativamente barato. Recentemente paguei 45 dólares por uma garrafa, safra 2010. Uma pechincha pela qualidade do vinho!





Pauillac – a maior estrela do Haut-Médoc. O requinte do requinte! Três dos cinco premiers crus estão localizados aqui (Château Lafite-Rothschild, Château Mouton-Rothschild e Château Latour).  A comuna em si é menor que Margaux, mas possui 18 vinhos classificados em 1855. Os vinhos de Pauillac são descritos como mais encorpados e complexos, todavia o terroir é muito variado, e por isso as características dos vinhos oscilam muito entre as propriedades. A proporção entre as uvas usadas para a vinificação também é muito variada: alguns utilizam mais cabernet sauvignon (até 70%) e outros nem tanto (45%). Além dos três premiers crus, destaco ainda o Château Lynch-Bages, o Château Longueville Comtesse de Lalande, o Château Haut-Bages-Libéral, o Château Grand-Puy-Lacoste e o Château Grand-Puy-Ducasse.






Saint-Estèphe – pequena comuna ao norte, no extremo do Haut-Médoc. Aqui os vinhos são mais austeros e potentes, em virtude do solo mais pesado, o que dificulta a drenagem do mesmo. Sou literalmente apaixonado pelos vinhos daqui. Além do Cos (como os produtores locais chamam o Château Cos d’Estournel), outro vinho soberbo é o Château Montrose. Em 2014, em visita à França, tive a oportunidade de beber a safra 1996 deste vinho – algo inesquecível. Mais uma vez gostaria de citar que a visita privada ao Château Cos d’Estournel é impecável e que pode ser reservada com antecedência pela web. O custo não é tão alto, haja vista que é uma visita exclusiva para poucas pessoas. Vale a pena. Recentemente a safra 2009 foi excepcional. As duas estrelas da região, o Montrose e o Cos, foram laureadas com a nota máxima, 100, pelo jornalista americano Robert Parker.




MJR

segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Bordeaux - O melhor vinho do mundo - Parte III.



A classificação de 1855

Prepare-se, pois cada região de Bordeaux tem a sua própria classificação. Apesar de alguma semelhança entre elas, detalhes podem fazer uma grande diferença. A classificação mais antiga e conhecida é a do Médoc, à margem esquerda do Gironde. Ela foi encomendada por Napoleão III em 1855. A ideia era graduar os melhores châteaux e vinhedos da região. A classificação foi baseada em qualidade, mas principalmente, no preço e no prestígio dos vinhos. Passados mais de 160 anos a classificação ainda vigora. Vejamos algumas curiosidades:

1 – Os 61 vinhos foram hierarquizados em cinco categorias, todos tintos, de premier cru (os melhores e mais famosos: os ícones de Bordeaux) ao cinquième cru (teoricamente os “piores” da classificação). Neste contexto a palavra “cru” em francês significa “um vinhedo ou um conjunto de vinhedos”.  A palavra premier significa primeiro e a cinquième, quinto. Assim, a classificação de 1855 graduou os vinhos do Médoc em cinco categorias: premier cru, deuxième cru, troisième cru, quatrième cru e cinquème cru.

2 – Na teoria um “segundo cru” é melhor que um “quinto cru”, e assim por diante. Porém, na prática esta afirmativa não é válida. Os motivos são vários: safra do vinho, zelo do produtor e especialmente a evolução do Château no tempo – mais de 160 anos. A classificação foi alterada apenas uma vez, quando em 1973 o Château Mouton Rothschild deixou a segunda categoria e passou a frequentar a do grupo mais nobre.

3 – Todos os vinhos desta classificação expressam em seus rótulos o termo “Cru Classé 1855” ou mais frequentemente “Grand Cru Classé 1855”. A palavra “Grand” (grande) no Médoc tem pouca importância, mas nas outras regiões o termo pode ser relevante. Já “Classé” significa classificado.



4 – Até aqui, escrevi que todos os vinhos são provenientes do Médoc, porém existe uma exceção, o Château Haut-Brion que é de Graves. Portanto, na classificação de 1855, 60 vinhos são do Médoc e apenas 1 de Graves, todos da margem esquerda. Todos sem exceção!

5 – A grande maioria dos vinhos está situada nas quatro sub-regiões do Haut-Médoc: Saint-Estèphe, Pauillac, Saint Julien e Margaux. Contudo, alguns vinhos “Grand Cru Classé 1855” ficam fora destas 4 sub-regiões, mas ainda dentro do Haut-Médoc, e desta forma aparecerá no rótulo da garrafa a origem do vinho:  A. Haut-Médoc C., além do Grand Cru Classé 1855, é claro.



6 – De uma forma geral, em boas safras, estes vinhos são excepcionais. Quase todos com grande poder de envelhecimento e guarda, durando 15, 20, 30 anos ou mais. Usualmente eles estarão prontos para serem bebidos a partir de 10 a 15 anos, na dependência do produtor e da safra. Dica: procure por vinhos com mais de 10 anos. Antes disso, eles são ásperos, duros e fechados.

7 – Veja na tabela a seguir, a lista de todos os 61 vinhos da Classificação de 1855. Ao final desta série – Bordeaux, o melhor vinho do mundo – voltarei a comentar sobre alguns vinhos que já degustei e suas características.



8 – Praticamente todos os châteaux classificados em 1855 produzem o chamado “segundo vinho” da casa. Eles não têm a excelência dos primeiros, mas usualmente tem ótima relação custo-benefício. Dois exemplos: o Château Montrose produz o La Dame de Montrose, seu segundo vinho. Já o Château Gruaud Larose produz o Sarget de Gruaud Larose, um tinto muito bom. Não confunda o deuxième vin, segundo vinho, com deuxième cru.





9 – Para finalizar a classificação do Médoc, gostaria de comentar sobre uma categoria importante de Bordeaux, denominada de “Cru Bourgeois”. Os vinhos não pertencem à classificação de 1855, mas gozam de grande prestígio na região. São cerca de 200 Châteaux. Infelizmente, existe uma grande heterogeneidade na qualidade dos vinhos desta categoria, mas existem excelentes vinhos e de ótima relação custo-benefício. Destaco dois vinhos desta categoria que estão situados na região de Moulis no Médoc (Moulis en Médoc), e que são muito bons: o Château Maucaillou e o Château Chasse-Spleen.



9 – Por último, gostaria de citar que alguns excelentes produtores não classificados em 1855, se recusam a entrar em outras classificações, e mesmo assim produzem vinhos extraordinários, como Jean Gautreau do Château Sociando-Mallet no Haut-Médoc.



Terminamos aqui a classificação do Médoc. Passemos rapidamente pelas outras regiões de Bordeaux.   

Na região de Graves, ao sul da cidade de Bordeaux, a classificação é mais singela. Existem apenas 13 vinhos tintos e 8 vinhos brancos classificados como superiores – os chamados Grand Cru Classé. A Classificação foi feita em 1953 e revista em 1959. Não há uma ordem hierárquica entre os vinhos. Destaco o Château Pape-Clément, um tinto magnífico, além, é claro, do premier cru Château Haut-Brion.



Talvez em Saint-Émilion temos a classificação de Bordeaux mais complexa e a que costuma gerar mais confusão. Os vinhos foram classificados inicialmente em 1954, com a perspectiva de revisão a cada 10 anos, a última em 2012. Veja alguns detalhes desta classificação:

1 – Os grandes vinhos, os Châteaux mais prestigiados e melhores, foram denominados de Premier Grand Cru Classé.  Aqui a palavra Premier faz toda a diferença, fique atento! Nesta primeira subcategoria, quatro vinhos foram ainda denominados do Grupo “A” (Château Ausone, Château Angelus, Château Pavie e Château Cheval Blanc), os melhores da região, e outros 14 vinhos ficaram no Grupo “B”, melhores que os demais não participantes destes grupos, sem letras. Um famoso vinho da subcategoria “B” é o Château Figeac.



2 – A segunda categoria de Saint Émilion é denominada de Grand Cru Classé (sem a palavra Premier). Usualmente são bons vinhos. Existem 63 vinhos classificados nesta categoria. Neste link, http://www.artwine.com.br/noticias/270/as-surpresas-da-nova-classificacao-de-saint-emilion , você encontrará a lista de todos os vinhos Grand Cru Classé da região.

3 – A terceira categoria é a Grand Cru, sem o Premier no início e sem o Classé ao final. Existem dezenas de vinhos nesta categoria o que explica a heterogeneidade da qualidade destes vinhos. Por vezes são caros, magros e pouco inspiradores. Outro são bons e baratos. Fique atento!

Em meio a esta confusão os vinhos de Pomerol jamais foram classificados. Nem mesmo o famoso Château Petrus entrou na classificação de 1855. Nem por isso, deixou de ser o mais caro e famoso vinho de Bordeaux.



MJR

* Em breve a parte IV